Resenha #110 A Grande Solidão

Autor: Kristin Hannah
Editora: Arqueiro
Páginas: 400 páginas
Classificação: 5/5 estrelas

Atormentado desde que voltou da Guerra do Vietnã, Ernt Allbright decide se mudar com a família para um local isolado no Alasca. Sua esposa, Cora, é capaz de fazer qualquer coisa pelo homem que ama, inclusive segui-lo até o desconhecido. A filha de 13 anos, Leni, também quer acreditar que a nova terra trará um futuro melhor.

Num primeiro momento, o Alasca parece ser a resposta para tudo. Ali, os longos dias ensolarados e a generosidade dos habitantes locais compensam o despreparo dos Allbrights e os recursos cada vez mais escassos. Porém, o Alasca não transforma as pessoas, ele apenas revela sua essência.

E Ernt precisa enfrentar a escuridão de sua alma, ainda mais sombria que o inverno rigoroso. Em sua pequena cabana coberta de neve, com noites que duram 18 horas, Leni e a mãe percebem a terrível verdade: as ameaças do lado de fora são muito menos assustadoras que o perigo dentro de casa.

Vocês verão a escritora Kristin Hannah sempre por aqui, porque quando se quer um livro bom, as obras dela nunca vão te decepcionar!

Este é o lançamento dela no Brasil mais uma vez pela editora Arqueiro. Ansiosa pela leitura, corri logo que pude em meio a leituras técnicas da faculdade.

A Grande Solidão conseguiu me derrubar. Sim, literalmente.

Com personagens bastante impressionantes, Cora se destaca por um relacionamento totalmente fora do prumo. É algo tão doentio que você precisa pausar a leitura por diversas vezes para poder respirar e controlar as batidas do coração de tanta raiva que fica.

Sua filha, Leni presencia e vivencia da mesma tensão que a mãe, sempre temendo que seu pai fique irritado ou frustrado, correndo o risco dele surtar.

E o que mais impressiona é saber que isso de fato acontece. Não é uma coisa que fica restrita nos livros. Por mais que haja um motivo específico, a guerra no cenário, quando a pessoa já tem propensão a violência, fica difícil justificar tais atitudes.

O Alasca dos anos 70 é o desanimador. Quando a história te leva para esse ambiente, o estômago chega a dar voltas. Minha cabeça ficou em conflito. Rico em detalhes, a narrativa me proporcionou sensações que eu jamais quero ter novamente.

Este livro me fez pensar e repensar no que eu ofereço aqueles que estão ao meu redor. Até quando o amor se justifica? O que é amor para nós? Vale mesmo tudo por amor?

Tudo isso você vai encontrar aqui. Kristin Hannah mais uma vez faz um excelente trabalho e colocou A Grande Solidão no topo!

    Quem sou eu...

    Mary Ellen

    "O conhecimento é algo que ninguém pode tirar de você" É isso que eu busco nos livros. Viajar sem sair do lugar, sofrer, sorrir e sonhar. São coisas que você pode fazer ao mesmo tempo, e que você só encontra nos livros. Mãe, esposa, amiga e sonhadora!

    Leia mais...

    Facebook


    Instagram

    Skoob