Resenha #24 O PRIMEIRO ÚLTIMO BEIJO

BlogLido_Instagram  (24)
O primeiro último beijo conta a história de amor de Ryan e Molly, de como eles se encontraram e se perderam diversas vezes ao longo do caminho. Na primeira vez em que eles se beijaram, Molly soube que ficariam juntos para sempre. Seis anos e muitos beijos depois, ela está casada com o homem que ama. Mas hoje Molly percebe quantos beijos desperdiçou, porque o futuro lhes reserva algo que nenhum dos dois poderia prever… Esta história comovente, bem-humorada e profundamente tocante mostra que o amor pode ser enlouquecedor e frustrante, mas também sublime.

Um livro sobre a luta para manter o amor da sua vida, mesmo quando o futuro é incerto. O primeiro último beijo vai fazer você suspirar e derramar lágrimas com a mesma intensidade.

Demorei 10 dias para conseguir terminar este livro. Ele conta a história de como Molly e Ryan se conheceram e de como foram os seis anos que ficaram juntos detalhadamente, o que fez o livro ficar um pouco cansativo pra mim. E não, ele não é ruim, mas foi a minha ansiedade que fez isso. Começa com a Molly encaixotando as coisas para se mudar e na narrativa percebemos que ela não está mais com o Ryan e a ânsia de querer saber o que houve para eles terem se separado é imensa, e isso me fez permanecer até o fim. Como um amor tão bonito poderia ter chegado ao fim?

Molly não acredita em relacionamento. Seus pais não são bons exemplos de como um casal deve se relacionar e isso influencia na decisão dela. O único relacionamento sério que mantém é o de amizade com Casey. Conheceram-se na escola e desde então não se separaram mais. Porém, quando Ryan aparece, ela descobre que ele é e será o homem da sua vida.

Como sou casada, este livro conseguiu me fazer refletir muito sobre minha vida pessoal. Algumas dúvidas que a Molly tem durante essa caminhada são as mesmas de muitas mulheres. Ela questiona a liberdade que “perdeu” e os sonhos que deixou para trás.

Muitas citações dela na história são verdadeiras lições, pois em determinado momento, Molly se mostra uma pessoa muito egoísta e isso irrita um pouco. Mas isso é jogado no colo dela da pior forma possível.

Ryan é um homem muito maduro para idade dele e certo do que quer. Um cara muito especial que nos cativa desde o primeiro paragrafo. Enquanto Molly adora criar listas das coisas que pretende fazer, Ryan não é adepto a isso e nas poucas listas que ele faz pra ela, deixa a seguinte questão: Ter ou ser? E isso ficou martelando na minha cabeça o dia todo.

Já parou para pensar em quantas coisas a gente quer ter?

Ultimamente eu queria quitar a minha casa, trocar alguns móveis e ter um pouco mais de conforto.

Mas e as coisas que eu quero ser? Um bom exemplo para minha filha? Uma boa esposa para meu marido? Deixar um legado para o futuro? Será que eu não consigo me contentar com o que já tenho?

E quanto aos beijos que é tão falado na história? Quantos desperdiçamos ou quantos nem damos a devida importância?

Concluindo: Este será um livro que ficará guardado no meu coração. Ele é um motivador de vida. Acredito que sempre que eu tiver um problema, vou reler só para lembrar quem eu sou e quem eu quero ser. Ele não vai ser só mais um livro na minha estante, vai ser O LIVRO na minha estante.

Editora Verus, 445 páginas

    Quem sou eu...

    Mary Ellen

    "O conhecimento é algo que ninguém pode tirar de você" É isso que eu busco nos livros. Viajar sem sair do lugar, sofrer, sorrir e sonhar. São coisas que você pode fazer ao mesmo tempo, e que você só encontra nos livros. Mãe, esposa, amiga e sonhadora!

    Leia mais...

    Facebook


    Instagram

    Skoob